top of page

A história, contribuições atuais e perspectivas futuras de iNaturalist na Austrália.

Atualizado: 19 de abr. de 2021

Apesar da popularidade e do uso do iNaturalist aumentar exponencialmente nos últimos cinco anos, especialmente em muitos países do hemisfério sul, não existe um amplo exame de dados provenientes da plataforma iNaturalist. Para ajudar a preencher essa lacuna, Corey Callaghan e eu analisamos uma visão geral da história, contribuições atuais e perspectivas futuras do iNaturalist na Austrália.


História

Após um início lento de 2008 a 2015, o envolvimento australiano com a plataforma começou a se recuperar em meados de 2016 após a criação do projeto Australasian Fishes, com observações aumentando de normalmente algumas centenas por mês para mais de 5000 por mês. Não havia como voltar atrás desse ponto, com as observações por mês acelerando rapidamente. Em maio de 2019, o fechamento da BowerBird (uma das principais plataformas de ciência cidadã da Austrália) e a migração de seus registros para o iNaturalist contribuiu para o primeiro de três picos cada vez maiores nas taxas de observação. Isso foi seguido pelo primeiro envolvimento da Austrália no City Nature Challenge em abril de 2020 e, finalmente, na primeira edição da Grande BioBlitz do Hemisfério Sul (Great Southern Bioblitz) em setembro de 2020, a qual viu as observações australianas excederem 100.000 uploads em um único mês. O número total de observadores e espécies observadas também aumentou exponencialmente, sem sinais de desaceleração.

 

No topo, o número de observações no iNaturalist por mês, semana e dia na Austrália em 2021 e abaixo do número de observações diárias em 2020 em comparação com 2021 https://inaturalist.ala.org.au/stats/2020

 

A Austrália é atualmente o quarto maior contribuinte do mundo com base no número de observações (atrás dos EUA, Canadá e México), mas é o segundo maior do mundo em número de observações por observador.


Contribuições atuais

Quase 70% de todas as observações australianas são animais, 25% são plantas e apenas 6,5% fungos. Mais da metade dessas observações de animais são artrópodes, com 86% dos insetos artrópodes; isso significa que mais de 30% de todas as observações australianas no iNaturalist são insetos! Esta é a porcentagem mais alta para os 15 principais países contribuintes da plataforma. Graças à natureza carismática das borboletas, à popularidade das noites de traça e à relativa facilidade com que são encontradas e fotografadas, os lepidópteros representam metade de todas as observações de insetos e, portanto, 15% de todas as observações australianas! Como esperado, os pássaros estão super-representados em relação à sua diversidade; apesar de constituírem apenas 2% de todas as espécies australianas, eles representam 17% das observações.

 

As três espécies mais observadas na Austrália no iNaturalist são a Magpie Gymnorhina tibicen (esquerda), o Kookaburra Dacelo novaeguineae (centro) e o Rainbow Lorikeet Trichoglossus moluccanus (direita)

 

A maioria das observações de plantas australianas são plantas com flores, com relativamente poucas observações de samambaias, musgos e outros grupos. Os grupos mais populares a serem observados são Asterales (um grupo que contém as plantas parecidas com ‘margaridas’, entre outras) e Asparagales (graças à enorme diversidade de orquídeas da Austrália). De uma perspectiva espacial, as observações são fortemente tendenciosas para as principais cidades do sudeste da Austrália, com pontos de acesso adicionais em torno de Townsville, Cairns e Perth. Entre eles, há também alguns pontos de acesso avançados conduzidos pelo usuário, com grandes esforços de usuários como reiner, nicklambert e vicfazio3, entre outros, aparecendo no mapa. Existem também algumas lacunas espaciais notáveis nas observações australianas. Além de pequenos pontos críticos ao redor de Alice Springs e do Parque Nacional Uluru-Kata Tjuta (ambos principalmente voltados para turistas), o interior árido da Austrália é muito deficiente em dados, destacando uma área importante para observações futuras. Outras regiões grandes e com poucas observações incluem Arnhem Land, sudoeste da Tasmânia e águas offshore da Austrália.

 

Heatmap (mapa de calor) das observações no iNaturalist, na Austrália

 

Panorama

Embora os dados australianos do iNaturalist estejam cada vez mais sendo usados ​​em pesquisas profissionais, eles ainda são subutilizados devido aos milhões de pontos de dados que existem. Conseqüentemente, uma das direções futuras mais importantes para o iNaturalist Austrália é que os pesquisadores usem os dados já existentes para modelar as distribuições das espécies no espaço e no tempo. Também é importante extrair dados secundários. Embora cada observação tenha um único foco, muitas também contêm outras informações valiosas; por exemplo, a maioria das fotos de polinizadores, como abelhas e borboletas, também contém informações sobre plantas hospedeiras. Capitalizar essas informações nos permitirá entender os padrões e as interações, como mudanças na cor em toda a gama de espécies ou relações predador-presa. Talvez uma das direções futuras mais importantes para o iNaturalist Austrália seja o envolvimento contínuo (e aumentado) com especialistas em taxonomia. Ao recrutar esses especialistas para a plataforma, mais observações serão identificadas (e com precisão crescente), especialmente para táxons menos conhecidos e grupos que requerem chaves ou conhecimento específico. Esses especialistas também podem ajudar a ensinar outros usuários e melhorar suas próprias habilidades de identificação.

Finalmente, deve haver um grande impulso para integrar cada vez mais os dados australianos do iNaturalist nas áreas de conservação e política; as observações de espécies ameaçadas ou invasoras têm grande valor para informar avaliações de impacto ambiental e contribuir com a legislação para a criação de áreas protegidas ou esforços de controle.

Você pode ler o artigo completo de Mesaglio e Callaghan, An overview of the history, current contributions and future outlook of iNaturalist in Australia Por Thomas Mesaglio Revisão e Tradução: Larissa Braz Sousa

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page